Sydney, Australia | 48.000 m² | 2019 | Competição Internacional – projeto selecionado | Em colaboração com Bernardes, Scale, Burle Marx

PT A estratégia de projeto se inicia a partir de um grande gesto urbano que coloca os dois maiores espaços de apresentação no piso térreo como volumes separados, criando, entre eles, um icónico espaço público no coração do Museu. Este espaço público é pensado para ser um lugar inesquecível para os visitantes como uma generosa sala urbana embutida na forma arquitetônica do Museu que emoldura o rio e o futuro eixo cívico de Parramatta. Aproveitando o clima temperado da região, propomos fazer do novo MAAS–Powerhouse um edifício que aproveite a sua interface com os elementos climáticos externos como fonte para criar o máximo conforto e qualidade em seus espaços interiores. No piso térreo, os espaços de apresentação 1 e 2 podem ser combinados através da praça central, criando um amplo espaço de exposição público adequado para eventos de grande escala onde o museu se apresentará como uma verdadeira parte do domínio público. Os espaços de apresentação 4, 5 e 6, localizados no volume superior do museu, podem ser combinados para acomodar exposições de grande escala onde um ambiente altamente controlado é necessário. A escala do edifício impõe a necessidade de uma estratégia de fachada que funcione tanto à distância como de perto. Composta por apenas um tipo de brise vertical, feitos por painéis de cerâmica com duas cores diferentes em lados opostos, a camada externa da fachada é um sistema otimizado que diminui o consumo total de energia do edifício sem a necessidade de peças móveis ou tecnologia complicada. A variada transparência e coloração da fachada podem ser vistas de forma diferente em cada parte da cidade, criando um caráter distinto e uma aparência em constante mudança para o Museu.



EN The design strategy starts with a large urban gesture placing the two biggest presentation spaces on the ground floor as separate volumes, creating, in between them, an iconic public space in the heart of the Museum. This public space is envisioned to be an unforgettable place for visitors as a generous urban room embedded in the Museum's architecture form that frames both the river and the future civic-link of Parramatta. By taking advantage of the well-tempered environment of the region, we propose to make the new MAAS–Powerhouse a building that exploits its interface with external climatic elements as a source to create maximum comfort and quality for its spaces. On the ground floor, the presentation spaces 1 and 2 can be combined through the central square creating an expansive public exhibition space suitable for large-scale events where the museum will present itself as a true part of the public domain. The presentation spaces 4, 5, and 6, located on the upper volume of the museum, can be combined to accommodate large scale exhibitions where a highly controlled environment is required. The scale of the building imposes a necessity for a facade strategy that works both from distance and close up. Composed by only one type of vertical louver, made out of ceramic panels with two different colors on opposite sides, the external facade layer is an optimized system that decreases the total energy consumption of the building without the need for movable pieces or complicated technology. The varying transparency and coloration of the facade can be seen differently from each part of the city, creating a distinct character and ever-changing appearance for the Museum.